Notícias

Brasil e mais oito países devem eliminar hepatite C até 2030, diz relatório

Dados que serão apresentados nesta quarta-feira (31) em evento mundial sobre hepatite em São Paulo mostram que nove países reúnem condições para eliminar a doença.

Em 01/11/2017 às 08h27


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

Nove países, entre eles o Brasil, estão qualificados para eliminar a hepatite C até 2030, segundo dados do Observatório Polaris que serão divulgados nesta quarta-feira (1) em evento em São Paulo. Além do Brasil, Austrália, Egito, Geórgia, Alemanha, Islândia, Japão, Holanda e Catar estão dentre os países que caminham rumo à eliminação da doença nos próximos anos.

O Observatório Polaris é uma iniciativa do CDA Foundation, ONG americana criada para acelerar metas globais para a eliminação da hepatite B e C. Segundo a ONG, esses países se comprometeram com a expansão de medicamentos de ação direta, aqueles que atuam diretamente na replicação do vírus -- com uma taxa de cura que pode chegar a 98%.

Esses medicamentos trouxeram a esperança de que a eliminação da hepatite seja uma possibilidade real -- mais de 30 mil pacientes com hepatite C foram tratados e curados em 2016, informa o documento. No Brasil, esses novos compostos passaram a ser oferecidos em 2015, mas com restrições.

Agora, o documento informa que o Ministério da Saúde do Brasil se comprometeu a tratar todas as pessoas com hepatite C em qualquer fase da doença -- o que vai ajudar o país a atingir a eliminação. Hoje, apenas pacientes com maiores danos ao fígado são elegíveis a esses medicamentos. A nova diretriz, com a expansão do tratamento, deve entrar em vigor em 2018.

Dados divulgados pelo Ministério da Saúde mostram que há 657 mil pessoas no Brasil com infecção por hepatite C. O Ministério da Saúde informou ter por meta tratar 50 mil pacientes com hepatite C por ano. O país também planeja apresentar novas iniciativas para testar o máximo de pacientes.

Trabalho inovador

O documento informa que esses noves países apresentam trabalhos inovadores no combate à hepatite. Além da expansão do tratamento no Brasil, o país também oferece vacinas de hepatite B para toda a população.

Também o documento cita políticas inovadoras no Egito, que deve testar 30 milhões de pessoas para a doença até 2018, com iniciativas de triagem em massa. O país também produziu versões genéricas para os tratamentos mais modernos para a hepatite e expandiu o acesso.

A Austrália também concedeu acesso universal para pacientes de hepatite C, com um investimento de US$ 1 bilhão ao longo de cinco anos.

O documento informa que, apesar dos avanços nesses países, nem todo o mundo está avançando no combate à doença -- com alguns deles sem sequer terem dados precisos sobre a incidência da doença na população. Além disso, informa o relatório, há escassez de financiamento, falta de acesso a diagnósticos e de medicamentos.

A hepatite no mundo

As hepatites virais matam mais de 1 milhão de pessoas todos os anos – e mais de 300 milhões de pessoas estão cronicamente infectadas pelas hepatites B ou C, informa o documento. Esses dados, no entanto, podem ser ainda maiores -- já que cerca de 80% dos pacientes com hepatite C não foram diagnosticados, segundo dados da World Hepatitis Alliance, aliança mundial de combate à hepatite.

Em 2016, a Organização Mundial da Saúde (OMS) apresentou metas globais para a doença que incluíam uma redução de 90% nas novas infecções por hepatites B e C e uma redução de 65% na mortalidade relacionada às hepatites B e C até 2030.

O Brasil é anfitrião de evento sobre hepatite que reúne, entre os dias 1 e 3 de novembro, uma audiência global de grupos da sociedade civil e da Organização Mundial da Saúde. Ao todo, cerca de 249 membros internacionais, entre cientistas, gestores e autoridades de saúde pública comparecerão ao evento para debater e promover resposta às hepatites virais.


Compartilhe: